Segunda, 01 de Março de 2021 45 991472361
Brasil Brasil

Professora entra na Justiça e desiste de aposentadoria em SC

Mulher percebeu que valor seria muito abaixo do esperado, se recusou a receber mensalidades e conseguiu a desaposentação

22/02/2021 19h00
6
Por: Redação Fonte: R7
Mulher guardou cerca de R$ 15 mil recebidos do INSS durante seis meses para se desaposentar - (Foto: ANDRE MELO ANDRADE/MYPHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-25/09/2020)
Mulher guardou cerca de R$ 15 mil recebidos do INSS durante seis meses para se desaposentar - (Foto: ANDRE MELO ANDRADE/MYPHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-25/09/2020)

O TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) de Santa Catarina acatou a apelação de uma professora da rede municipal de ensino da cidade de Xanxerê (SC), que buscava homologar a desistência de sua aposentadoria desde o ano de 2017, depois de perceber que o valor ficou muito abaixo do esperado. 

Em novembro daquele ano, a professora, então com 50 anos, decidiu se aposentar após cumprir o tempo necessário trabalhando em escolas municipais. O benefício foi concedido pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) mas a professora, antes mesmo de fazer o primeiro saque, já pediu pelo cancelamento do benefício. O INSS negou o pedido e ela então acionou a Justiça, em 2019, para conseguir a desaposentação.

A mulher estava tão decidida a se desaposentar que mudou o meio de pagamento da aposentadoria, entre janeiro e agosto de 2018, de recebimento por cartão magnético para depósito em conta bancária, com o objetivo de devolver ao INSS os valores. 

O primeiro pedido dela foi negado pela Justiça, que argumentou haver falta de interesse processual da professora porque ela tinha pedido a aposentadoria voluntariamente. A professora então apelou ao TRF4, com base no artigo 181-B do Decreto 3.048/99.

A alegação da defesa da professora foi que a legislação permite a desistência da aposentadoria antes do recebimento da primeira prestação. O INSS, porém, afirmou que, por mais que aposentadoria tenha sido cancelada por falta de saques, a mulher continuou recebendo os valores depositados em 2018.

O relator do caso, juiz federal José Antonio Savaris, afirmou em seu voto que, de acordo com os documentos da petição, a professora não permitiu o depósito da aposentadoria em conta bancária e pediu o encerramento da conta bancária. Ela também demonstrou que transferiu os depósitos mensais para uma conta poupança, com o objetivo de devolver ao INSS o valor de R$ 15.209,64, a mesma quantidade recebida da aposentadoria.

“Portanto – e independentemente de qual tenha sido o motivo da alteração do meio de pagamento de cartão magnético para conta bancária –, fato é que a beneficiária, em nenhum momento, usufruiu da aposentadoria concedida, o que já é o bastante para caracterizar a hipótese prevista para a desistência do benefício”, disse o juiz. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias